segunda-feira, janeiro 25, 2010

Cheio de Charme [This Charming Man] , de Marian Keyes


This Charming Man






Título Original: This Charming Man (ainda não lançado em Português)
Autor: Marian Keyes
Editora: Harper Collins Books/ Bertrand
Gênero: Romance (mas sinceramente é melodrama)
Sub-Gênero/Assunto: Romance Contemporâneo, Chick-lit, Alcoolismo, Relação Abusiva
Período: Irlanda. Tempo Atual
Sinopse:

With This Charming Man , Marian Keyes hits her stride as a novelist with her best novel yet, telling the stories of four women who are shaped by one man Paddy de Courcy is Ireland's debonair politician, the "John F. Kennedy Jr. of Dublin." His charm and charisma have taken hold of the country and the tabloids, not to mention our four heroines: Lola, Grace, Marnie, and Alicia. But though Paddy's winning smile is fooling Irish minds, the broken hearts he's left in his past offer a far more truthful look into his character.

Narrated in turn by each woman, This Charming Man explores how their love for this one man has shaped their lives. But in true Marian Keyes fashion, this is more than a story of four love affairs. It's a testament to the strength women find in themselves through work, friendship, and family, no matter what demons may be haunting their lives. Depression, self-doubt, domestic abuse—each of these women has seen tough times in life, and it's through Keyes's wonderful storytelling ability that these subjects are approached with the appropriate tone and candor. Her deft touch provides a gripping story and, ultimately, a redemptive ending.





***






Confesso, não sou uma fã incondicional de Marian Keyes. Li, além deste livro, ‘Agora Ou Nunca’ e ‘Tem Alguém Aí? e sinceramente acho que ela mais do abusa do direito de ser verborrágica. Contudo, li ‘Agora ou Nunca’ e ‘Tem Alguém Aí?’ com relativo prazer. Sim, eles demoraram um pouco para ‘engatar’ mas depois de um certo tempo a leitura flui.

Infelizmente não posso dizer o mesmo de ‘This Charming Man’. Provavelmente, este é um dos livros mais chatos que eu já li. Chato com C maiúsculo. O pior de tudo, a meu ver, não é nem mesmo o fato de o livro ser longo por demais (são mais de 500 páginas de uma ‘estória’ que poderia ser contada em 200, se muito); ou o fato da história em si não ter interesse algúm; ou a sensação de que você não dá a mínima para nenhumas das personagens (li uma resenha sobre o livro que diz tudo: a personagem Lola é uma cópia mal feita de Bridget Jones). Não. Tudo isso junto não é o que mais me incomodou no livro.

O que eu realmente odiei foi a tentativa forçada de fazer humor com coisas que certamente não são engraçadas. Ah, mas é humor negro, alguém pode dizer. Certo. Contudo não é qualquer um que sabe fazer humor negro e com certeza, Marian Keyes não sabe. Sabe quando alguém conta uma piada extremamente sem graça sobre um deficiente físico ou alguém com câncer e a gente fica com aquele sorriso amarelo no rosto, sentindo-se incomodado e até mesmo com vergonha pela pessoa? Pois então, em muitas partes do livro foi assim que me senti.

Honestamente, este livro foi uma total e completa decepção.

E mais que decepcionante, foi uma leitura constrangedora.

Sou contra dizer 'não leia este livro'; acho que leitura (assim como cinema) é uma questão de gosto pessoal mas, não posso. em sã consciência, recomendar isso aqui.



E não, ainda não desisti de Keyes. Tenho o livro Melancia aqui em casa e pretendo lê-lo. Apenas espero que este(livro) faça com que eu supere essa péssima impressão.


Cotação:

1/5  (Vale menos 1?)


ETA:O livro será lançado no Brasil em Novembro de 2010 pela Editora Bertrand com o título Cheio de Charme.

Reações: