quinta-feira, maio 18, 2017

[Resenha] Os Tambores do Outono: Parte 2- Diana Gabaldon


“Depois de voltar no tempo à Escócia do século XVIII e reencontrar Jamie Fraser, o amor de sua vida, Claire Randall seguiu com ele para o Novo Mundo. Agora eles moram na Carolina do Norte, nos Estados Unidos, e Jamie, com o auxílio da misteriosa e autoritária Jocasta Cameron, conseguiu tornar-se uma pessoa influente. As coisas finalmente parecem estar entrando nos eixos.

Duzentos anos à frente, a filha dos dois, Brianna, encontra um recorte de jornal antigo e descobre que Claire e Jamie morrerão em um incêndio. Isso, somado à sua curiosidade em relação ao pai biológico e à saudade que sente da mãe, faz com que deixe o namorado para trás e se lance através do círculo de pedras em uma aterrorizante jornada rumo ao desconhecido. Para salvar a vida daqueles que ama, ela tentará mudar o passado, mesmo que isso signifique colocar em risco o próprio futuro.

Assim que fica sabendo o que a namorada fez, Roger Wakefield abandona seu emprego de professor e decide segui-la. Mais uma vez, a força do amor ultrapassa obstáculos, vencendo tempo e espaço, e dá início a uma nova e fantástica fase nesta saga antológica.

Na segunda parte de Os tambores do outono, Diana Gabaldon conta as aventuras de uma jovem destemida no atribulado século XVIII. Unindo sentimentos atemporais como culpa, raiva e amor a uma cuidadosa pesquisa histórica, a autora constrói uma trama inesquecível, com reencontros de tirar o fôlego e um desfecho emocionante.”



Agora posso dizer, com certeza, que Outlander finalmente me conquistou. Demorou um pouco. Pensei em desistir, principalmente após o segundo livro, mas com Os Tambores do Tempo tudo mudou.
Eu já tinha gostado bastante da primeira parte do livro- e este “gostar”se solidificou ainda mais com esta segunda parte.

Diana Gabaldon ainda gosta de uma boa descrição, do uso das palavras, mas percebi que ela deu uma maneirada. Porém, mas do que isso, achei que a história em si começou a se tornar mais interessante. Claro que existe a questão do gosto pessoal, mas ao transferir a ação para América do Norte pré-revolução tornou tudo muito mais interessante.

Não posso negar, também, que o fato de grande parte da narrativa ser feita em terceira pessoa (e não só sob a ótica de Claire) melhorou EM MUITO a narrativa. Finalmente eu me senti “dentro” da ação e torcendo pelos personagens e me interessando por suas vidas.

Os Tambores do Tempo: Parte 2 é, a grosso modo, sobre a ida de Brianna e Roger ao passado e como nem tudo pode sair como previsto. Brianna continua chatinha (teve a quem puxar, né?) mas eu adoro Roger; É daqueles personagens que não parecem ter muita importância mais que, pouco a pouco, vão conquistando o leitor.

A história é muito bem amarrada e conduzida e, embora eu tenha discordado de algumas soluções (ou diria, reviravoltas) dramáticas, elas fizeram sentido- e se amarraram bem.

Analisando as partes 1 e 2 como um todo, vejo em Os Tambores do Tempo uma maior maturidade na autora, onde a verborragia deu lugar a uma trama mais consistente. E envolvente.

Vale muito a pena embarcar nessa aventura.


Recomendo.


Título Original: Drums of Autumn- Parte 2
Autor: Diana Gabaldon
Editora: Arqueiro
Série Outlander- Livro 4:Parte 2
Gênero: Romance Histórico
Sub-Gênero/Assunto: Viagem no Tempo, Aventura, Médicos, Gravidez
Período: Séc. 18. Escócia e EUA.
Capa da outra edição:


4.5/5


A Série

Livro 1- A Viajante no Tempo- Resenha
Livro 2- A Libélula no Âmbar- [Resenha]
Livro 3-  Resgate no Mar- Parte 1-[Resenha]
Livro 3- Resgate no Mar-Parte 2-[Resenha]
Livro 4- Os Tambores do Outono- Parte 1
Livro 4- Os Tambores do Outono- Parte 2
Livro 5- A Cruz de Fogo- Parte 1
Livro 5- A Cruz de Fogo- Parte 2
Saiba Mais AQUI




quarta-feira, maio 17, 2017

#divugação Romances em Contos 4: O Bebê Chegou!



"Romances em Contos 4 – O Bebê Chegou!"

Onze autores embalados de romance e maternidade em "Romances em Contos 4 - O Bebê Chegou!", onde através de seus contos falam sobre o amor mais completo que há, entre mães e filhos. Quando o amor entre um casal sente que precisa dar frutos é hora de o bebê chegar. Venham se emocionar com a maternidade."


E-book por apenas R$1,99 na Amazon

Mais livros da Flavia Cunha: AQUI

CLUBE DE AUTORES
 photo Thais1_zpssfusghrx.gif


terça-feira, abril 25, 2017

[Resenha] Quando a Bela Domou a Fera - Eloisa James



“Piers Yelverton, o conde de Marchant, vive em um castelo no País de Gales, onde seu temperamento irascível acaba ferindo todos os que cruzam seu caminho. Além disso, segundo as más línguas, o defeito que ele tem na perna o deixou imune aos encantos de qualquer mulher.

Mas Linnet não é qualquer mulher. É uma das moças mais adoráveis que já circularam pelos salões de Londres. Seu charme e sua inteligência já fizeram com que até mesmo um príncipe caísse a seus pés. Após ver seu nome envolvido em um escândalo da realeza, ela definitivamente precisa de um marido e, ao conhecer Piers, prevê que ele se apaixonará perdidamente em apenas duas semanas.

No entanto, Linnet não faz ideia do perigo que seu coração corre. Afinal, o homem a quem ela o está entregando talvez nunca seja capaz de corresponder a seus sentimentos. Que preço ela estará disposta a pagar para domar o coração frio e selvagem do conde? E Piers, por sua vez, será capaz de abrir mão de suas convicções mais profundas pela mulher mais maravilhosa que já conheceu?”



Ah, a magia dos contos de fadas!

Como o próprio título já deixa bem claro, Quando a Bela Domou a Fera é uma releitura, muito bem humorada, do famo(zérrimo) conto de fadas, “A bela e a fera”. Passado no século 19, numa remota localidade no País de Gales, o livro mostra a história de amor, não muito ortodoxa, de Linnet e Piers.

A Bela e a Fera. Obviamente.

Linnet é uma jovem belíssima que, devido a uma “indiscrição” amorosa, teve sua vida social totalmente destruída. Ou seja, estava arruinada. O único jeito de reparar o erros seria casar-se. Mas casar-se com quem, já que sua reputação estava irremediavelmente arranhada?
É aí que entra a Fera. Ou melhor dizendo, Piers, o conde de Marchant. Um nobre médico que vive em um castelo isolado e que só tem tempo e disposição para seus doentes; bem, nem isso, o que importa mesmo, para ele, são as doenças.

Usando uma bengala e sentido dores excruciantes, Piers não é a mais simpática das criaturas. E a ideia de se casar realmente não está nos seus planos. Afinal,ele já havia dito a seu pai que não aceitaria uma noiva menos do que “perfeita”.

O problema é que Linnet realmente beirava a perfeição. E, apesar do rostinho bonito, não era de levar desaforo para casa.

Quando a Bela Domou a Fera é uma disputa de vontades, um amor à segunda vista, onde duas pessoas com gênios fortíssimos, precisam aprender um pouco mais sobre si mesmas.
O livro é uma delícia; super divertido e romântico, onde os embates verbais de Piers e Linnet são o ponto alto da narrativa. Os dois personagens são ótimos, dinâmicos e muito bem desenvolvidos. Eu adorei que a autora,apesar de tomar como base uma história conhecidíssima (e, porque não, clichê), fez uma trama cheia de pequenas surpresas, onde o mocinho não é somente um nobre, mas também médico e, melhor de tudo,não optou por um vilão fácil e caricato.

De leitura leve e rápida, Quando a Bela Domou a Fera é aquele tipo de livro que, com certeza, vai agradar em cheio quem gosta de romances divertidos, com uma pitada de sensualidade.

** O personagem principal foi inspirado no House, da série de TV.
** Este livro é o segundo de uma série de romances de época inspirados em contos de fadas. Cada livro tem uma história independente, sem nenhuma ligação com os demais.

Claro que recomendo!


Título Original: When beauty tamed the beast
Autor: Eloisa James
Editora: Arqueiro
Série Contos de Fadas-Livro 2
Gênero: Romance Histórico
Sub-Gênero/Assunto: Contos de fadas, imperfeições, Médicos
Período: Séc. 19. Inglaterra.

4/5

 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

quarta-feira, abril 19, 2017

[Resenha] Irmãos de Sangue - Nora Roberts


“A misteriosa Pedra Pagã sempre foi um local proibido na floresta Hawkins. Por isso mesmo, é o lugar ideal para três garotos de 10 anos acamparem escondidos e firmarem um pacto de irmandade. O que Caleb, Fox e Gage não imaginavam é que ganhariam poderes sobrenaturais e libertariam uma força demoníaca.

Desde então, a cada sete anos, a partir do sétimo dia do sétimo mês, acontecimentos estranhos ocorrem em Hawkins Hollow. No período de uma semana, famílias são destruídas e amigos se voltam uns contra os outros em meio a um inferno na Terra.

Vinte e um anos depois do pacto, a repórter Quinn Black chega à cidade para pesquisar sobre o estranho fenômeno e, com sua aguçada sensibilidade, logo sente o mal que vive ali. À medida que o tempo passa,

Caleb e ela veem seus destinos se unirem por um desejo incontrolável enquanto percebem a agitação das trevas crescer com o potencial de destruir a cidade.

Em Irmãos de Sangue, Nora Roberts mostra uma nova faceta como escritora, dando início a uma trilogia arrebatadora em que o amor é a força necessária para vencer os sombrios obstáculos de um lugar dominado pelo mal.”



Nora, Nora,Nora...

Quando eu comecei a ler Irmãos de Sangue, eu pensei, “Ih, a Nora tá se repetindo. Isso aqui parece tanto com a Bruxa da Noite!. Bem, o início parecia mesmo. Um lugar ermo, séculos atrás, o bem contra o mal... porém, Dona Nora ao invés de fazer um cópia do que já foi feito, construiu uma história extremamente bem desenvolvida e, melhor do que tudo, envolvente. Divertida.

O livro é o primeiro de uma trilogia cujos personagens principais são três amigos:Cal, Fox e Gage.Esse não tão pequeno detalhe já me ganhou: os principais são homens e,pelo menos neste livro,a maior parte da narrativa é feita pelo ponto de vista masculino.
Adoro isso!

Sim,sim,sim...o romance está presente. Isto é Nora,né? E o amor é parte fundamental nesta história sobre três amigos que precisam derrotar um mal terrível.

Caleb ´Cal’ Hawkins é o bonzinho, o filho perfeito, o querido da cidade- e que é capaz de tudo para acabar com a maldição que ele e seus dois melhores amigos acabaram por lançar, inadvertidamente sobre sua cidade quando tinham 10 anos. Quinn Black é uma escritora especialista em fenômenos paranormais.

Não direi mais nada.

É melhor assim,não acham?

Até porque já sabemos que eles serão um casal.Não que eu tenha me empolgado muito com isso. Adorei Cal. Mas Quinn? Me irritou. De verdade. Parece uma matraca falando. O fato é que eu acabei achando o casal meio sem sal.

Na verdade, o que me atraiu no livro foi a trama em si. Adorei o modo como a autora foi intercalando os elementos e pouco a pouco mostrando a importância do0s personagens e suas verdadeiras missões. No fundo, analisando friamente, Irmãos de Sangue é uma fantasia sem grandes novidades mas que prende a nossa atenção desde as primeiras linhas. A maravilha está na aparente simplicidade.

O livro é apenas a primeira parte de uma aventura que tem tudo para ser incrível.

Boa Viagem!

Claro que recomendo!


Série:

Livro 1-Irmãos de sangue
Livro 2- A Maldição de Hollow
Livro 3-A Pedra Pagã

Título Original: Blood Brothers
Autor: Nora Roberts
Editora: Arqueiro
Série A Sina do Sete- Livro 1
Gênero: Romance Contemporâneo
Sub-Gênero/Assunto: fantasia, paranormal, amizade
Período: Atual. EUA


4/5

 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

quarta-feira, abril 12, 2017

#Lançamento Boneco de Pano


Estou louca para ler esse livro. Eu amo um romance policial!


(Para acessar o hotsite é só clicar na imagem!)

 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

segunda-feira, abril 10, 2017

[Resenha] O Ar Que Ele Respira - Brittainy C. Cherry


“Como superar a dor de uma perda irreparável? Elizabeth está tentando seguir em frente. Depois da morte do marido e de ter passado um ano na casa da mãe, ela decide voltar a seu antigo lar e enfrentar as lembranças de seu casamento feliz com Steven. Porém, ao retornar à pequena Meadows Creek, ela se depara com um novo vizinho, Tristan Cole. Grosseiro, solitário, o olhar sempre agressivo e triste, ele parece fugir do passado. Mas Elizabeth logo descobre que, por trás daquele ser intratável, há um homem devastado pela morte das pessoas que mais amava. Elizabeth procura se aproximar dele, mas Tristan tenta de todas as formas impedir que ela entre em sua vida. Em seu coração despedaçado parece não haver espaço para um novo começo. Ou talvez sim.”



Que história triste.

Que livro lindo!

Um ano após a trágica morte do marido,Elizabeth deixa a casa da mãe, onde ficou para “lamber as feridas” e, com a filha pequena, volta para sua cidade. Ela quer finalmente seguir em frente. Ou pelo menos, tentar.

É nesta tentativa de recomeço que ela conhece Tristan, um homem amargurado, odiado pela cidade e que parece ter sentimentos somente para o seu cachorro, Zeus.

(Pausa para dizer que o Zeus é um fofo! E a filhinha da Elizabeth também.)

Elizabeth e Tristan são duas almas quebradas que acabam encontrando um no outro, uma espécie de conforto.

O Ar Que Ele Respira fala sobre perda, dor e a dificuldade de seguir em frente. Estranhos no início, Elizabeth e Tristan passam a usar o sexo como fórmula de escape e uma tentativa de esquecimento- porém a dor continua lá, forte. É claro que a partir de um certo momneto, a relação entre eles deixa de ser somente sexual.

Eu gostei muito como a autora desenvolveu o casal e o relacionamento entre eles. Os dois são sentimentais e ao mesmo tempo que muitas vezes o sexo é quase raivoso, é impossível não perceber a amizade nascendo. Foi interessante ver um herói que não esconde sentimentos.

O livro é lindo, cheio de passagens lindas e muitas vezes dolorosas. O problema, a meu ver, a inclusão de um vilão na trama. Foi desnecessário;um elemento que não acrescentou em nada (apesar do final ter sido emocionante, eu admito!) Particularmente, preferiria que os únicos vilões a serem combatidos tivessem sido eles mesmos.

De qualquer forma, O Ar Que Ele Respira foi uma leitura maravilhosa, que me fez rir e me emocionar. Com uma escrita fluida, a autora soube muito bem mexer com os sentimentos.

Ah,como soube!

Claro que recomendo!

***O livro faz parte da série Elements. São livros independentes que tem em comum um Elemento da natureza.***


Título Original: The air he breathes
Autor: Brittainy C. Cherry
Editora: Record
Série Elements-Livro 1
Gênero: Romance Contemporâneo
Sub-Gênero/Assunto: Drama, viúva, crianças, segunda chance
Período: Atual. EUA
Outra Capa:


4.5/5
 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

quinta-feira, abril 06, 2017

Lançamentos de Abril: Arqueiro

Olá! A Arqueiro tem ótimos lançamentos vindo por aí em Abril. Que tal dar uma olhadinha?


Dois a Dois.Com uma carreira bem-sucedida, uma linda esposa e uma adorável filha de 6 anos, Russell Green tem uma vida de dar inveja. Ele está tão certo de que essa paz reinará para sempre que não percebe quando a situação começa a sair dos trilhos.
Em questão de meses, Russ perde o emprego e a confiança da esposa, que se afasta dele e se vê obrigada a voltar a trabalhar. Precisando lutar para se adaptar a uma nova realidade, ele se desdobra para cuidar da filhinha, London, e começa a reinventar a vida profissional e afetiva – e a se abrir para antigas e novas emoções.
Lançando-se nesse universo desconhecido, Russ embarca com London numa jornada ao mesmo tempo assustadora e gratificante, que testará suas habilidades e seu equilíbrio emocional além do que ele poderia ter imaginado.
Em Dois a dois, Nicholas Sparks conta a história de um homem que precisa se redescobrir e buscar qualidades que nem desconfiava possuir para lutar pelo que é mais importante na vida: aqueles que amamos.

Um Menino em Um Milhão. Quinn Porter é um guitarrista de meia-idade que nunca conseguiu deslanchar na carreira. Enquanto aguardava sua grande chance na música, foi um marido e pai ausente, e jamais conseguiu estabelecer um vínculo afetivo com o filho, uma criança obcecada pelo Livro dos Recordes e algumas peculiares coleções.
Quando o menino morre inesperadamente, alguém precisa substituí-lo em sua tarefa de escoteiro: as visitas semanais à astuta Ona Vitkus, uma centenária imigrante lituana.
Quinn assume então o compromisso do filho durante os sete sábados seguintes e tenta ajudar Ona a obter o recorde de Motorista Habilitada Mais Velha. Através do convívio com a idosa, ele descobre aos poucos o filho que nunca conheceu, um menino generoso, sempre disposto a escutar e transformar a vida da sua inusitada amiga. Juntos, os dois encontrarão na amizade uma nova razão para viver.
Um Menino em Um Milhão é um livro sensível, poético e bem-humorado, formado por corações partidos e aparentemente sem cura, mas unidos por um elo de impressionante devoção pessoal.

À Margem das Sombras. O jogo parece perdido para a cidade de Cenária.
O golpe impiedoso de Garoth Ursuul, o Deus-rei, foi bem-sucedido. Agora ele domina a cidade, enquanto os invasores de Khalidor massacram habitantes e destroem casas, lojas e esperanças. O antigo governo da cidade foi subjugado e seu líder, substituído.
A magia do Deus-rei é poderosa demais para ser controlada e sua influência se expande até os círculos mais nobres da cidade. As únicas chances de vitória nessa guerra injusta são o honrado Logan Gyre e o derramador Kylar Stern, o Anjo da Noite. Contudo, enquanto o primeiro está enclausurado na mais terrível prisão do reino, o segundo abandonou o caminho da espada e, em nome de Elene, seu grande amor, jurou nunca mais matar.
A resistência agora se resume a ladrões, comerciantes pobres e prostitutas. Mas talvez isso mude muito em breve. Ao descobrir que Logan está vivo, Kylar pode abrir mão da paz que encontrou na nova família e arriscar tudo para retornar ao caminho das sombras.



Boneco de Pano.O polêmico detetive William Fawkes, conhecido como Wolf, acaba de voltar à ativa depois de meses em tratamento psicológico por conta de uma tentativa de agressão. Ansioso por um caso importante, ele acredita que está diante da grande chance de sua carreira quando Emily Baxter, sua amiga e ex-parceira de trabalho, pede a sua ajuda na investigação de um assassinato. O cadáver é composto por partes do corpo de seis pessoas, costuradas de forma a imitar um boneco de pano.
Enquanto Wolf tenta identificar as vítimas, sua ex-mulher, a repórter Andrea Hall, recebe de uma fonte anônima fotografias da cena do crime, além de uma lista com o nome de seis pessoas – e as datas em que o assassino pretende matar cada uma delas para montar o próximo boneco. O último nome na lista é o de Wolf.
Agora, para salvar a vida do amigo, Emily precisa lutar contra o tempo para descobrir o que conecta as vítimas antes que o criminoso ataque novamente. Ao mesmo tempo, a sentença de morte com data marcada desperta as memórias mais sombrias de Wolf, e o detetive teme que os assassinatos tenham mais a ver com ele – e com seu passado – do que qualquer um possa imaginar.
Com protagonistas imperfeitos, carismáticos e únicos, aliados a um ritmo veloz e uma deliciosa pitada de humor negro, Boneco de Pano é o que há de mais promissor na literatura policial contemporânea.

Ligeiramente Perigosos.Aos 35 anos, Wulfric Bedwyn, o recluso e frio duque de Bewcastle, está ávido por encontrar uma nova amante. Quando chega a Londres, os boatos que correm são os de que ele é tão reservado que nem a maior beldade seria capaz de capturar sua atenção.
Durante o evento social mais badalado da temporada, uma dama desperta seu interesse: a única que não tinha essa intenção. Christine é impulsiva, independente e altiva – uma mulher totalmente inadequada para se tornar a companheira de um duque. Ao mesmo tempo, é linda e muito, muito atraente.
Mas ela rejeita os galanteios de todos os pretendentes, pois ainda sofre para superar as circunstâncias pavorosas da perda do marido. No entanto, quando o lobo solitário do clã Bedwyn jura seduzi-la, alguma coisa estranha e maravilhosa acontece. Enquanto a atração dela pelo sisudo duque começa a se revelar irresistível, Wulfric descobre que, ao contrário do que sempre pensou, pode ser capaz de deixar o coração ditar o rumo de sua vida.
Em Ligeiramente Perigosos, o sexto e último livro da série Os Bedwyns, Mary Balogh conclui a saga desta encantadora família em uma trama repleta de cenas sensuais, tiradas espirituosas e personagens à frente de seu tempo. Ao unir um homem e uma mulher tão diferentes, ela mostra que o resultado só poderia ser um par perfeito.