segunda-feira, outubro 08, 2012

Toda Sua, de Sylvia Day


Título Original: Bared to You
Autor: Sylvia Day
Editora: Cia das Letras | Paralela
Gênero: Romance Contemporâneo
Série: Crossfire 1/3
Sub-Gênero/Assunto: Erótico, Hot, Abuso, Milionários
Período: Contemporâneo. Nova Iorque, EUA.
Gideon Cross entrou na minha vida como um relâmpago na escuridão...
Ele era inteligente, bem-sucedido, rico e muito lindo. Fiquei obcecada por ele como nunca tinha ficado por ninguém, por nada. Ansiava por seu toque como uma droga, mesmo sabendo que aquilo acabaria me destruindo. Eu tinha meus problemas, e ele fez com que viessem à tona muito facilmente.
Gideon sabia. Ele também tinha seus problemas. E nós acabaríamos sendo o espelho que refletia os traumas - e os desejos - mais secretos do outro.
Seu amor me transformou, e eu rezava para que nosso passado não nos separasse...




É difícil começar a falar sobre Toda Sua sem citar Cinquenta Tons de Cinza. O próprio marketing de Toda Sua o compara a 50 tons e a própria autora menciona E.L. James nos seus agradecimentos. Sim, os dois livros são de certa parecidos- mas também muito distintos.

Toda Sua está à zilhões de anos luz de 50 anos. Em termos de qualidade de escrita, não há nem o que comparar. Se a péssima escrita de E.L. James fez com que eu não gostasse nenhum pouco de seu livro e sentisse nada em relação ao seu mocinho, Mr. Grey. Silvia Day conseguiu com que eu me empolgasse com uma leitura que, na essência, pessoalmente, eu tenho alguns ‘senões’.

A qualidade da escrita, muitas vezes, faz toda a diferença.

Toda Sua tem a aquela estória básica de sempre: Mocinha, Eva Tramell conhece zilionário bonitão e misterioso, Gideon Cross e começa um relacionamento regado à muito sexo. E obsessão. Ah, e os dois possuem traumas. A diferença aqui é que Eva não fica de fiofó adocicado e já parte pro ataque na primeira boa oportunidade.
Sim, ela já dá logo e deixa de enrolação!

Vou confessar que, no início, não gostei nada de Gideon. Não que necessariamente tenha gostado dele depois mas no começo do livro foi difícil, pra mim, sentir qualquer simpatia em relação à ele. Sério, o rapaz, era da fineza de Mr. Catra num canteiro de obras. Grosso até a medula. Na boa, não achei o xaveco dele nada sexy.

Tudo bem que ele melhora nesse aspecto no decorrer do livro, mas, num mundo real, não sei se me interessaria por alguém como Gideon. O rapaz pode ser um TDB, um deus na cama, mas era um pouco obsessivo demais pro meu gosto.

Como personagem, contudo, o achei muito interessante. Como Eva, ele também sofreu traumas horríveis na infância, que moldaram sua personalidade, mas, ao contrário, de Eva que, acabamos por saber o que aconteceu, com ele é quase um mistério. Temos deslumbres do que pode ter sido, mas nada concreto. Assim como o próprio Gideon.

Não se pode dizer que a relação de Gideon e Eva, que começa puramente sexual e vai se tornando algo a mais, seja totalmente sadia. Ela não é. É uma relação baseada na codependência e da na profunda obsessão de Gideon por Eva. Porém, se olharmos atentamente, a autora em nenhum momento louva esse comportamento. Pelo contrário, as críticas estão lá, nas entrelinhas. Nas palavras do amigo de Eva, Cary, na necessidade de terapia, em vários outros momentos. Na boa, eu iria ficar irritadíssima com aquela questão das chaves. [spoilers!]

Eu me irritei com o vai-não-vai de Eva em diversos momentos. Qualquer coisinha ela fugia... até a esquina. Haja paciência! Se tem uma coisa que me irrita é isso de vai e volta.
Mas vamos combinar que tirando toda essa questão psicológica sobre relacionamentos, o que interessa mesmo é o sexo. E sexo é o que não falta. E sexo da melhor qualidade. Como eu disse no início, a qualidade da escrita, muitas vezes faz toda a diferença- e, uma cena de sexo bem descrita e ambientada é outra coisa. A gente sente a cena. Nem preciso entrar em muitos detalhes né? rsrsrs

Tudo bem que algumas cenas ( na verdade, diálogos) me lembraram filmes pornôs. As conversas (se é que podemos chamar assim!) eram praticamente as mesmas. Aliás, na boa, Gideon podia ser o maioral e tals, mas, na cama, o vocábulo dele não era muito diferente de um adolescente excitado ou um universitário ‘catando’ alguém.

Toda Sua é um livro interessante e que, com certeza, prende a atenção. A estória é narrada em primeira pessoa e , apesar de eu estar bastante saturada de livros assim, aqui este fato não me incomodou muito. Talvez porque Eva não seja uma narradora histriônica.

Falando em narradoras histriônicas, em alguns momentos não pude deixar de fazer uma comparação desse livro com um Chick-Lit regado à muito sexo: temos Nova York, a mocinha, o mocinho, a mãe da mocinha que adora se meter, uma concorrente bonitona e o amigo gay (no caso, bi). ^.^

Em suma, Toda Sua pode até não ser um livro perfeito, mas a qualidade do trabalho de Sylvia Day compensa muita coisa.

Vale a pena a leitura.


Edição

Capa muito bem cuidada com “toque” emborrachado. Além disso, não posso deixar de citar o “não” corte e “amenização” das cenas de sexos e das palavras mais fortes. Está tudo lá. Como deve ser. Parabéns por isso, Paralela.

A Série

Livro 1- Toda Sua (Bared To You)
Livro 2- Profundamente Sua (Reflected in You) – inédito no Brasil
Livro3- Entwined with You – expectativa de publicação: 31 de dezembro de 2012

Outras Capas:

ETCs



Site da Autora: www.sylviaday.com/

Termômetro HOT:

 
[O que é isso?]


Cotação:
3.5/5

PS: E já sabem, né? Qualquer erro, favor avisar! :)

Reações: