terça-feira, setembro 17, 2013

O que você quiser, de Sara Fawkes [+18]


O trabalho temporário de Lucy Delacourt não é o emprego dos sonhos, mas paga suas contas.
O momento alto de seu dia é andar de elevador com um atraente desconhecido. Tudo muda no dia que o desconhecido a seduz. Completamente fora de si, ela se entrega sem nenhuma resistência, mas não imagina que aqueles momentos de delírio com um homem que ela nem sabe o nome irão mudar sua vida para sempre.
Isso porque o rapaz sexy é ninguém menos que Jeremiah Hamilton, um bilionário executivo que não se contenta com uma noite para satisfazer seu prazer.
Conforme o endinheirado envolve Lucy em seu mundo de ambiciosos negócios e audaciosas aquisições, ele exige nada menos que sua total rendição.





Pois é.

Acho que cenas de sexo não foram feitas para dar risada. Total anticlímax, pra falar a verdade, mas foi isso o que aconteceu comigo em vários momentos enquanto eu lia O que você quiser.

Tá bom, algumas cenas eram bem sexy (apesar de um pouco “samba de uma nota só”), mas, na maioria das vezes, fiquei com vontade de rir mesmo. E isso mata qualquer clima.

O senso de “ridículo”(desculpa, mas não consigo pensar em uma palavra melhor) já começou logo no início da história. O “Eu posso sentir o cheiro da sua excitação” proferido pelo mocinho, um total estranho, naquele momento, foi de matar. E não no bom sentido.

Concordo com um comentário que li no Goodreads que dizia que se um estranho, por mais lindo que fosse, me dissesse isso no elevador, eu , ou cairia na gargalhada ou saíria gritando que tinha um tarado na área. Sério, por mais que eu tente fantasiar minha mente não consegue ir além do “que ridículo” para uma cena assim. Passada às 9 da matina. Num prédio comercial.

Se fosse numa balada, barzinho, sei lá, até passava. Seria brega, mas passava- mas ali?! Nem nos pornôs soft das madrugadas do Multishow.

Eu gosto de romances sensuais, eróticos. Não tenho nada contra, de verdade. Porém, O que você quiser não deu pra mim. Não apenas por cenas de sexo que me fizeram querer rir mas, principalmente por dois pontos:

1- O Contrato. Já tivemos um contralto em Cinquenta Tons de Cinza. Todas autoras agora precisam imitar a E.L. James nesse aspecto? E aqui, o tal contrato não teve a menor razão de ser e,

2- O BDSM. Tá na moda BDSM. Basicamente, uns 95% dos livros “eróticos” tem algum elemento de BDSM. Só por isso já seria cansativo (mais um efeito 50 tons) e piora quando a “questão sadomasô”  aparece do nada em alguns livros, como aqui. Se é pra ter esse elemento erótico, que faça sentido! Tem um momento na história em que Jeremy, o nosso mocinho “dominador” até pergunta pra mocinha, um pouco abismado e surpreso, “O quê você está fazendo?!” Então ele percebe que ela estava sendo "submissa” à ele. Foi ridículo.

Tá bom, o livro não é de todo péssimo, a autora até tentou fazer uma subtrama “detetivesca” que eu achei interessante mas que, infelizmente, não foi o suficiente para salvar a leitura. Talvez se tivesse ficado somente nesse aspecto thriller, eu tivesse gostado mais. O fato é, que além de achar os momentos sexuais risíveis (não o sexo em si, mas as situações criadas. Poderia ter sido super sexy, mas como eu disse as situações, as prelimianares, esbarraram no ridículo), o casal em si não me provocou nenhum suspiro. Não gostei nem odiei. Foi neutro. Até simpatizei com Jeremy, apesar dele ser um pouco mais do mesmo (bilionário, sexy, não quer se envolver, blá blá blá) mas Lucy... sei lá. Faltou algo nela. E devo confessar que depois do que li sobre a continuação, bem, a minha opinião sobre ela não melhorou. Acho que o melhor personagem do livro foi Lucas, o “irmão malvado” de Jeremy que, por um erro da autora, foi pouco explorado aqui.

O final do livro é em aberto, o que geralmente, eu não gosto, mas aqui eu até achei interessante- até sobre a história seguinte.

Deixe-me explicar , O que você quiser é, na verdade, a compilação de 5 short stories publicadas online e estas 5 “short stories” fecham a primeira parte da história. Até aí tudo bem se, com essa segunda parte toda a “dinâmica” da história não fosse modificada. Não quero entrar em detalhes, mas digamos assim, esta é uma história Pornô. PONTO. Não é um romance romântico erótico.

Comentário Spoilado ***
Pelo que eu entendi, a história se transforma em um threesome. Nada contra MFM. Na verdade, adoro histórias com MFM, mas autora não deu nenhum indício de que a história seria sobre isso. Até o final da primeira parte, a mocinha dizia estar apaixonada por Jeremy- e o “terceiro elemento” nem passava pela cabeça dela. Talvez eu esteja errada, mas é como se autora quisesse passar de um romance erótico para um pornô “do nada”. Na minha opinião, teria sido mais legítimo, começar como “pornô” puro e simples logo de cara.

***Fim Comentário Spoilado.

Em suma, apesar do ritmo fluido e de prender a atenção, O que você quiser não foi uma leitura que me conquistou. Porém, gosto é gosto e cabe a cada um ter a sua própria opinião.

E vocês, já leram esse livro? Se sim, o que acharam?

Título Original: Anything he wants
Autor: Sara Fawkes
Editora: Planeta
Gênero: Erótica
Série: Envolvida por um Bilionário
Sub-Gênero/Assunto: Romance Contemporâneo, BDSM, Milionários, Amor de Escritório
Período: Contemporâneo. Eua e França

Capa Original:


Cotação:

Reações: