quarta-feira, setembro 24, 2014

Desaparecida, de Catherine McKenzie


Quem nunca sonhou em recomeçar a própria vida do zero? A jovem advogada Emma Tupper se vê diante dessa oportunidade quando volta para casa, após passar seis meses desaparecida na África. Surpresa, constata que todos acreditam que ela estava... morta.

Emma descobre que sua antiga vida foi apagada. O apartamento onde vivia acaba de ser alugado para um novo inquilino, o misterioso fotógrafo Dominic. No escritório de advocacia no qual construía uma carreira brilhante com vistas ao cargo de sócia, sua rival Sophie se apossou não só de seus clientes e de sua sala, mas também de seu namorado, Craig.

Enquanto tenta resolver o caos em que se transformou seu mundo, Emma se questiona: ela era feliz antes de sua viagem à África? Tinha valido a pena se sacrificar tanto em nome do trabalho? Amava Craig de verdade? Queria mesmo ter aquela vida de volta?

Romântico e espirituoso, Desaparecida revela a envolvente trama de uma mulher à procura de si mesma.



Encantador.

Sempre que eu me deparo com um Chick-Lit, eu fico com um certo receio do que eu vou encontrar. Eu gosto do Gênero, gosto de ler um romance “adulto” mais leve e divertido, porém, muitas vezes me sinto frustrada com a forma como as “mocinhas” de chick-lit são representadas;quase que invariavelmente são mulheres de 30 e poucos anos, solteiras e que agem como idiotas.

Este não é o caso de Emma, a protagonista de Desaparecida. Ela é uma jovem advogada de 34 anos, com uma carreira promissora e um namorado que “está sempre lá”. Uma boa vida, cheia de possibilidades. Porém tudo começa a mudar quando sua mãe, e único parente vivo, morre e lhe deixa de “herança” uma passagem para a África e um pedido para que ela fique um mês lá. Aquele era um sonho da falecida e ela gostaria que fosse realizado, nem que fosse pela única filha. Claro que Emma fica um pouco insegura em aceitar, ou encarar este desafio, afinal, um mês longe de tudo e todos e muita coisa, ainda mais para quem está prestes a se tornar sócia da empresa de advocacia aonde trabalha. Todavia, ela vai e, como era de se esperar, nada acontece como o esperado.

Aquele um mês acabou se transformando em 6 meses. Emma ficara doente e, além disso, um terremoto tornou praticamente impossível o contato com o mundo exterior.

Quando Emma finalmente volta para casa, ela descobre que nada está como antes. Primeiro ela havia sido dada como desaparecida e, depois, finalmente, como morta. Sim, as pessoas acharam que ela tinha morrido naquele terremoto... e seguiram a vida. Seu emprego não estava mais tão “promissor”, o namorado fiel estava agora com sua rival da empresa e seu apartamento tinha um novo inquilino, um fotógrafo chamado Dominic.

Essa volta à realidade, ou à antiga vida, é um verdadeiro baque para Emma; não só os outros mudaram como, principalmente, ela mesma. Nem tudo o que era tão importante antes o é agora. Ela está em outro ritmo. Diferente. E aprendendo a se conhecer.

No decorrer do livro, vamos acompanhando essa jornada de Emma, esse “retorno” e como ela tenta se reintegrar à vida. Desaparecida não é um livro de romance rasgado, mas tem passagens extremamente doces e encantadoras. Em uma determinada e importante cena romântica, devo confessar que senti borboletinhas na barriga; um arrepio gostoso que me fez sorrir tolamente.

"E, Deus, como é bom poder se apoiar em um homem, sentir-se querida, presente, estar no centro dos pensamentos dele. Não importa que o motivo seja mera solidão, uma perda dolorosa ou uma mão esmagada contra um armário duro.Eu não me importo, não me importo. Não me importo mesmo."

Eu adorei a amizade de Emma com a amiga Stephanie e principalmente sua relação com Dominic. Ele é um homem misterioso e fechado mas que acaba fazendo parte da “turma”. A interação dos três é ótima (sim, dos três!) porém tem um momento que o rapaz me decepcionou. Achei o que ele fez de uma infantilidade tão grande! Aff

O livro apresenta elementos típicos do gênero “Chick-Lit” como a mocinha de trinta e poucos anos, a melhor amiga, a rival vagaranha e o mocinho que parece ser “perfeito”, mas o que eu gostei aqui é que Emma É e age como uma adulta. Claro que ela e Stephanie tem os seus momentos de tontice (mas quais amigas/mulheres não os tem?) Eu amei que em NENHUM momento eu senti vergonha alheia por ela.

Desaparecida é um livro encantador, divertido e romântico mas que também faz pensar. A autora conduz a história de maneira bem fluida e interessante, alternando cenas do presente e do passado de Emma na África, onde vamos descobrindo mais sobre o que aconteceu lá. Até mesmo uma subtrama sobre o roubo de uma obra de arte que, à primeira vista, parece ser algo sem importância, vai fazer sentido no final.

O final é uma graça, típico das mais doces Comédias Românticas do Cinema (eu na verdade, visualizei completamente a cena) e por mais que tenha acabado de modo perfeito, deixa aquele gostinho de quero mais.

Recomendo.


Título Original: Forgotten
Autor: Catherine McKenzie
Editora: Leya
Gênero: Chick-Lit
Sub-Gênero/Assunto: Romance Contemporâneo, Drama
Período: Atual. Canada.

Outras Capas:
Achei a capa brasileira a mais bonita.





Este Livro foi gentilmente cedido pela editora.


4/5

Reações: