domingo, agosto 02, 2015

A reprise de ER: Plantão Médico #PapoParalelo




O post de hoje será um pouco diferente. Não falarei sobre um livro, ou sobre um autor, mas sim sobre uma série de televisão. ER. Plantão Médico, que está sendo reprisada pelo canal Warner.

Ah, que bela surpresa. Que nostalgia me deu quando vi que Doug, Mark, Carter, Carol e tantos outros estavam de volta à minha telinha.

O Elenco Original


Para muita gente, especialmente os mais novos, ER pode ser mais uma série médica que passou pela tv. Ledo engano. ER foi “a” série médica- e muito do que vemos hoje na telinha deve-se à este drama médico de mais de 20 anos.

Sério, sté hoje me impressiono com o realismo de algumas cenas, e a caracterização dos personagens. Talvez hoje em dia seja comum encontrar, mocinhos e mocinhas “falíveis” mas epnse que estávamos em 1994 e os heróis deveriam ser perfeitos, sem falhas. Os finais felizes eram imprescindíveis. Com ER não era assim, e por isso era fantástico. E triste. E angustiante.

Morte, dependência química, abuso, AIDS, homosexualismo, adultério, racismo e dezenas de outros temas imporstantes e pertinentes foram tratados e discutidos na série. Hoje em dia, isso pode até parecer banal, mas pense em quão inovador era em meados dos anos 90. Assim como CSI revolucionou as séries policiais, penso que ER e Law & Order também fizeram história nesse quesito.



Muitos personagens e tramas e subtramas aconteceram em 15 temporadas (não era para menos!) mas acho que foi este primeiro grupo de médicos que “deu o tom”. Como não querer ser amigo de Mark, ou suspirar por Doug Ross, o pediatra bonitão e mulherengo (George Clooney novinho!), sentir raiva de Benton, o residente da cirurgia talentoso mas tremendamente arrogante, ou rir e querer abraçar Carter, o estudante de medicina atrapalhado mas adorável?

Carter, aliás, é o meu personagem preferido. Sem dúvidas. Está certo que adorei muitos outros como o Mark e o Luka e até mesmo a Abby (estes aparecerão em temporadas mais à frente), mas Carter sempre terá um lugarzinho em meu coração. Foi incrível assistir como o personagem cresceu, evoluiu, não só como médico, mas principalmente como ser humano. Olhando pra trás, penso que, na realidade, ER era sobre Carter. A história dele.


Carter, o meu queridinho.

Em compensação, se eu adorava o Carter, alguns personagens, eu odiava com todo o meu ser! Sendo Robert Romano e Kerry Weaver os primeiros da lista.

ER falava dos dramas médicos, dos médicos e também das enfermeiras, como Carol e sua paixão mal resolvida por Doug. Por falar em paixões, foi ER que me ensinou a não shippar em seriados. ER e Barrados no Baile, destruindo as esperanças e sonhos da adolescente Thaís , rs !

Foram episódios incríveis; muitos deles inesquecíveis.

Como (quase) toda série grande, ER também teve seus altos e baixos e, talvez, devesse ter terminado mais cedo; ou, não devesse ter ficado tão “melodramática”. A saída de Clooney foi um baque, mas acho que foi quando Mark Greene se despediu é que a série realmente se perdeu. Uma pena.

De qualquer forma, uma série que havia sido produzida por Steven Spielberg e escrita por Michael Crichton nunca poderia ser chamada de algo “qualquer”.
ER fez muito sucesso. Muito mesmo. As pessoas ansiavam pelo próximo episódio. Plantão Médico, domingo à noite depois do Fantástico. Era o assunto da segunda. E isso numa época em que TV Paga estava só começando. Internet, nem pensar.

Bem-Vinda de volta. ER.

Curiosidades:

* Foi o mais longo drama médico da TV americana;

* ER foi, primeiramente, planejado para ser um filme, mas Michael Crichton, o criador achou que daria uma série;

* O elenco original de atores : Anthony Edwards (Dr. Mark Greene), George Clooney (Dr. Doug Ross), Sherry Stringfield (Dra. Susan Lewis), Noah Wyle (o estudante de medicina John Carter) e Eriq La Salle (Dr. Peter Benton). Julianna Margulies fez uma participação especial no primeiro episódio como a Enfermeira Carol Hathaway e depois virou parte do elenco regular.

*ER foi a série mais indicada ao EMMY (mais de 120 vezes!), sendo que ganhou 22 estatuetas ao longo dos anos;

*Ganhou também o People's Choice Award por "Série de Televisão Dramática Favorita" todo ano, de 1995 até 2002.

Fonte: wikipedia

*** A Warner está no início da segunda temporada; para quem não pegou do começo a primeira temporada pode ser baixada na web. :)

*** Eu tenho muitos episódios favoritos, especialmente nas primeiras temporadas, como Love`s Labor Lost (fantástico!), Welcome Back, Carter (Tenso e muito divertido!) e o clássico episódio em que Doug salva um menino na chuva. Porém, meu favorito sem sombra de dúvidas é "All in the Family" (S06Ep14). Posso assistir quantas vezes quiser e sempre me emociono. Perfeito.

 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

Reações: