quinta-feira, setembro 17, 2015

[Resenha] Minha Pequena, Grande Mulher - Simone Fraga

“Nem mesmo uma infância sofrida, cheia de abusos impediu que Júlia se tornasse uma mulher forte e independente, a frente dos negócios da família. Mas, o passado retorna e traz com ele a melhor e a pior parte de sua história...

Lucas sempre protegeu a amiga de infância e por ela se apaixonou em segredo, um sentimento que só fez crescer durante todos esses anos, e nem mesmo a distância a fez diminuir. Quando o maior pesadelo de Júlia retorna, ele fará de tudo para mantê-la a salvo, de preferência ao seu lado e na sua cama.

Mas será que Júlia estará preparada para se entregar a um novo Lucas, que tem desejos e preferências que podem assustá-la? O amor, a confiança, o respeito e proteção, sentimentos que envolvem essa relação, serão fortes o suficiente para resistir e vencer o passado, e a violência que ela ainda terá que enfrentar?”




Uma leitura interessante, mas com problemas.

Talvez isso seja uma espécie de tick de blogueira literária, mas sempre que eu leio um livro eu tenho essa mania de já ficar pensando na sua resenha. Com Minha Pequena, Grande Mulher não foi diferente. Por isso, já durante a leitura eu começei a me perguntar como eu falaria sobre o livro. Estava gostando da história, mas o livro tinha sérios problemas de narrativa e gramaticais. É por isso que a resenha de hoje será um pouco diferente daquelas que eu normalmente escrevo. Será uma resenha de “Pós e Contras”, ou talvez seja melhor dizendo, “História e Técnica”.

Os Prós: A História

Antes de mais nada, eu gostaria de dizer que eu gostei bastante da história, da trama em si. Apesar de alguns aspectos clichês, Minha Pequena, Grande Mulher tem algo original e criativo. Em vez de falar somente de um reencontro de dois amigos de infância e a paixão subsequente, a autora mostrou todo um enredo bem intrincado, sobre amor, confiança e abuso.

Lucas é um típico mocinho macho-alfa, cuja maior e único objetivo é cuidar e prover suas mulheres, no caso Julia, seu grande amor, e Juju, sua filhinha de 4 anos. Apesar de ser um dominador, não senti nas atitudes dele algo possessivo ou intimidador. Ele era, na verdade, bem bonzinho- eu ótimo par para Julia.

Julia era uma sobrevivente. Vítima de abusos terríveis na infância, ela tentava seguir em frente. Atá mesmo quando o passado resolve novamente bater à sua porta. Em um primeiro momento, ela poderia parecer um pouco tola mas, eu consegui ver uma força na personagem. Julia tinha sua própria carreira e uma vida independente.

Lucas e Julia tinham química, algo imprescindível para um romance de amor- e era gostoso ver eles juntos, torcer por eles. Aparentemente, bem diferentes, os dois se completavam.
O desenrolar da história é interessante, com um bom desenvolvimento dos personagens. Particularmente, eu teria deixado de fora a questão do BDSM. Honestamente, achei desnecessária; ficou parecendo como uma tentativa de copiar 50 tons, o que não caberia aqui. Além disso, penso que algumas ações foram tomadas rápidas demais.

No geral, eu gostei bastante da história; foi um daqueles livros que me deu prazer de ler, apesar dos pesares, e eu queria loucamente saber como terminava.

O problema realmente foi a parte “técnica” da obra.

Os Contras

O livro tem dois grandes problemas: narrativa e gramática.
Parece até estranho eu falar sobre narrativa, após eu escrever como gostei da história. É porque a história, a trama, em si, me agradou muito, o que eu não posso dizer da forma como foi escrita. O problema foi o excesso de narradores- em um mesmo parágrafo! Eu já diversos livros com diferentes pontos-de-vista, mas confesso que nunca tinha lido um em que esses pontos-de-vista se alternavam quase que na mesma frase. Foi estranho. E confuso. Além disso, a indicação de narração em primeira pessoa através de aspas, tornava tudo ainda mais esquisito.

Outro ponto foi a gramática. Nem estou falando de alguns erros de grafia e conjunção verbal (que, sim, estavam presentes) mas sim a questão da pontuação. Isto foi o que mais me incomodou. O emprego da vírgula foi completamente arbitrário. Em alguns momentos, devo confessar que chegou a prejudicar a leitura, pois, eu, mentalmente, ficava corrigindo o livro.
**
Quando eu terminei o livro, eu fiquei me perguntando qual nota eu deveria dar. Apesar de ter gostado bastante da história, o livro tinha problemas e eu não podia deixar de mencioná-los.

Eu gostei do livro. Ponto. A autora usou bastante da criatividade e não se deixou fisgar pela tentação de fazer uma história banal, igual à tantas outras. Claro, alguns elementos do romance água-com-açucar “clássico” estão presentes, mas de forma bem apresentada, com uma storyline interessante e bons personagens, tanto os protagonistas quanto os coadjuvantes.

Como eu mencionei anteriormente, a história me prendeu. Eu me senti envolvida pelos personagens e seus dramas.

Isto, para mim, já é meio caminho andado.
Sim, vale a pena a leitura.

Agora, cabe a vocês, terem a sua própria opinião sobre o livro.

**Este livro foi gentilmente cedido pela editora**

Série Para Amar e Proteger

Minha pequena, Grande Mulher
Para Sempre, Minha Pequena


Para saber mais sobre o livro, a série e a autora: www.paraamareproteger.com


Título Original: Minha pequena, grande Mulher
Autor: Simone Fraga
Editora: Qualis
Série Para Amar e Proteger- livro 1
Gênero: Romance Contemporâneo
Sub-Gênero/Assunto: Reencontro, Amizade , Abuso, hot, bdsm, crianças, gravidez
Período: Atual. Rio de janeiro-


3/5


 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

Reações: