domingo, outubro 09, 2011

Lobo Solitário, de Diana Palmer [Soldados da Fortuna/Mercenários 1]

Título Original: Soldier of fortune
Autor(a): Diana Palmer
Editora: Nova Cultural, depois reeditado pela HQ
Série: -Mercenários/ Soldados da Fortuna 1
Coleção: Bianca Especial Férias. Reeditado pela HQ ( Col. Primeiros Sucessos 2)
Gênero: Romance Contemporâneo
Sub-Gênero/Assunto: Romance Contemporâneo, Segunda Chance, Aventura
Período: Contemporâneo
CORAÇÃO AVENTUREIRO
Para Gabby Darwin, trabalhar no escritório de J.D., um dos criminalistas mais famosos de Chicago, não era pro¬blema, ainda que ele fosse mandão e jamais se preo¬cupasse com ela. Até que eventos inesperados os levaram a assumir uma missão secreta na América Central.
Lá, ela conheceu o lado mais perigoso de J.D., quando soube sobre seu passado como mercenário. Ao sentir o desejo cada vez mais intenso no olhar de J.D., Gabby se deu conta de que tinha uma imagem completamente errada sobre ele. Mas J.D. já havia se apossado de seu coração, deixando-a indefesa e à mercê de seus caprichos...


***
Jacob Dane "J.D." Brettman & Gabby Darwin



Como uma tradução pode modificar um livro- para o melhor e para o pior. Aqui, mais uma vez, dona Nova Cultural, não apenas mutilou o livro como modificou tanto a protagonista que a transformou em outra personagem. A Gabby Darwin da versão NC simplesmente não é a Gabby Darwin da versão escrita por Diana Palmer e depois reeditada, traduzida e publicada pela Harlequin. Tenho que admitir que, de certa forma eu até preferia a versão NC de Gabby. Tudo bem, ela parecia um Rambo de saias- mas era tão diferente do que estávamos acostumados a ver com mocinhas da Tia Palmeirão.

O problema é que por mais que eu tenha gostado daquela Gabby ‘valentona’, ela não era a real. E eu. Como leitora me senti ( e sinto) enganada e ultrajada com o ‘trabalho’ que a tradutora fez.


Para se ter uma idéia da diferença entra as versões:

Na Versão NC:

"— Questão de sobrevivência, meu amigo. A fazenda vizinha foi destruída não fez um mês e o dono… — Diego interrompeu-se, olhando para Gabby. — Desculpe, señorita. Essa conversa em geral não agrada nada as mulheres.
Ela deu de ombros.
— Mulheres também se envolvem em guerrilhas. Além do mais, vou precisar a manejar alguma dessas armas, pelo menos por medida de precaução. É bom já ir me acostumando com os nomes. E, se quiserem, podem falar balas, em vez de projéteis. É muito mais curto e eu não me importo nem um pouco…
Laremos voltou-se para J.D. sem disfarçar o espanto diante do tom de Gabby. Ele soltou uma gargalhada, aconchegando-a a si com carinho.
— Você não imagina como acertou em qualificá-la de fenômeno, Laremos! Às vezes, surpreende até a mim… Não foi por acaso que á trouxe para cá.
— De forma nenhuma seria por acaso.
O sorriso de J.D. quase desapareceu ao notar como outro homem fitava Gabby de maneira insinuante. Apressou-se em retornar aos preparativos do resgate.
— Conseguiu o avião? — quis saber com certa secura."


Na Versão Original e HQ




"- Si - concordou Laremos. - Foi por isso que sobrevivi, e muitos de meus vizinhos não. A finca acima da minha pegou fogo um mês atrás, e seu dono... - Ele olhou para Gabby. - Perdoe-me, senorita. Este tipo de conversa não é para os ouvidos de uma mulher.
- Eu nem mesmo entendo sobre o que vocês estão falando - disse ela, estudando os dois homens. - O que é uma bazuca... era este o nome? E o que são blocos de C-4?
- Eu lhe explico tudo mais tarde - prometeu J.D. - Conseguiu o avião? - perguntou para Laremos."



A primeira vez que li Lobo Solitário, na antiga versão Nova Cultural, confesso que achei a estória confusa e truncada, sem contar, corrida demais. Nesta reedição, tudo faz muito mais sentido. E o que era uma estória bem fraquinha transformou-se em um belo conto de amor, aventura, paixão e segunda chance. Simplesmente amei.


A estória começa quando a irmã de J.D, um advogado criminalista, é seqüestrada no exterior e ele decide resolver a situação “com as próprias mãos”, mas, para isso ele precisa da ajuda de sua jovem secretária, Gabby, a fim de fingirem que são um casal de amantes enquanto estão em ‘terras hostis’ . Gabby aceita viajar com o chefe (no fundo, ela gosta de uma aventura) mas acha tudo aquilo uma loucura- para ela, ele é apenas um simples advogado. O que a jovem não sabe é que, na verdade, J.D, antes de advogar, fora um mercenário.

A primeira parte do livro é uma mistura de romance com estória de ação. Algumas cenas de aventura são um tanto quanto tolas (fica-se com a impressão que a autora não pesquisou exatamente o assunto, mas sim assistiu vários filmes estilo ‘Esquadrão Classe A’) mas ao todo o resultado é satisfatório.  Neste aspecto ‘aventureiro’ , o livro é interessante e animado. Porém, a melhor parte do romance é o mesmo o relacionamento dos dois.

Gabby tem uma personalidade doce e amigável que muitas vezes bate de frente com o estilo quase grosseiro de J.D.  Ele é extremamente ciumento e possessivo (especialmente quando Gabby está perto de Diego Laremos, outro mercenário e amigo de J.D) e isso o leva a ser cruel. Os dois vivem uma situação de desejo não muito contido mas controlado- e o problema é que ele, como todo mocinho de Diana Palmer que se preze, não quer amar e ela, se apaixona muito rapidamente (aliás, essa é uma das minha críticas: ela se descobre apaixonada rápido demais!).

É o jogo do eterno ‘quero/não quero’.  


"- Pensei que talvez você quisesse ir almoçar comigo - disse ele do nada,(...)


Ela o olhou, percebendo que ele estava diferente, então notou o traje. Nunca tinha visto J.D. em nada exceto em seus ter¬nos ou no uniforme de combate próprio para florestas. Mas agora ele usava jeans azul, tão surrado e desbotado quanto seu próprio jeans, com uma camisa azul mo¬derna e botas. Gabby permaneceu ali, não conseguindo parar de olhá-lo. Ele estava tão devastadoramente bonito e másculo que ela sentiu os joelhos enfraquecerem... de certa distância, pelo menos. Ainda sentia-se um pouco desconfortável em ficar sozinha com J.D.


- Não vou atacá-la - disse ele suavemente. - Não vou fazer um único movimento que você não queira. Nem mesmo vou tocá-la, se isso for necessário. Mas passe o dia comigo, Gabby.


- Por que eu faria uma coisa dessas? - indagou ela brevemente.


J.D. deu um sorriso melancólico.


- Porque estou solitário.


Alguma coisa na região do coração de Gabby cedeu. Devia ser seu cérebro mole, disse a si mesma, porque não tinha lógica ceder a J.D. Aquilo somente tornaria sua partida mais difícil. E ela precisava partir. Não seria capaz de suportar continuar perto dele, sentindo-se da maneira como se sentia.


- Você tem amigos - murmurou ela de forma evasiva.


- Claro. - Ele se levantou, enfiou as mãos nos bolsos, fazendo o jeans se estender sobre os músculos do estômago e coxas poderosas. - É claro que tenho amigos. Há Shirt e Apollo...
- Estou falando... de amigos aqui na cidade - disse Gabby de modo hesitante.


J.D. permaneceu silencioso por um momento.


- Eu tenho você. Ninguém mais."


Porém a relação dos dois se deteriora quando ela salva a vida dele- (Não sei se é Spoiler, mas de qualquer forma deixei escondido:) e o humor do rapaz, que já não era dos melhores, consegue piorar! Ele passa a agir como um menino de 8 anos: gosta da menina e por isso lhe puxa as tranças. Esse é o momento “ódio-supremo-dos-mocinhos-grosserirões-de-tia-palmeirão” ! Sim, ele a maltrata demais, porém logo percebe o erro e tenta se desculpar, mas aí, é a jovem que não quer mais.

E então começa a melhor parte do livro, onde ele tem que implorar pelo perdão dela. Rastejar, rs! É justamente a partir desse momento que tudo vale a pena e a leitura fica ótima. J.D não quer apenas pedir perdão, mas também provar que a ama de verdade.





"Os dedos de ambos se roçaram de leve enquanto eles andavam, e J.D. olhou para baixo, observando-a cuidadosamente.
- Procurando verrugas? - perguntou Gabby, numa tentativa de amenizar a tensão entre eles.
- Não realmente - respondeu ele. - Estou tentando decidir o que você faria se eu pe¬gasse sua mão.
Aquela honestidade irrepreensível mais uma vez. Gabby sorriu e deu-lhe os dedos delgados, sentindo-se trêmula quando ele lentamente entrelaçou os dedos nos seus."


Diana Palmer nos presenteia com uma escrita simples, mas impactante, cheia de passagens lindas, extremamente românticas e delicadas.

Recomendo.


[E a versão  vai além de onde a versão Nova Cultural termina, * mostrando até a cerimônia de casamento dos dois * (Como pode ser considerado Spoiler, eu coloquei escondidinho!)]







A Série 
Apesar de ser uma série independente, Soldados da Fortuna, em alguns momentos 'se cruza' com a série Homens do Texas e Hutton & Co. Para se"situar, dê uma olhadinha neste post que eu fiz com a ordem de leitura dos livros da Diana Palmer (AQUI)

1- Lobo Solitário (Soldier of Fortune) Jacob Dane "J.D." Brettman e Gabby Darwin
2- Uma Estranha Ao Meu Lado (The Tender Stranger) Eric James van Meer (Dutch) e Danielle "Dani" St. Clair
3- Desejo Proibido (Enamored) Diego Laremos e Melissa Sterling
4- Aventura Ardente (Mercenary's Woman) Ebenezer "Eb" Scott (tb conhecido como Douglas "Doug" Scott) e Sally Johnson
5- Uma Mulher Para Amar (The Winter Soldier) Cy Parks e Lisa Taylor Monroe
6- O Último Mercenário (The Last Mercenary) Micah Steele e Callie Kirby
_________________________________Fonte: EB traduzido por fãs. 






Relação com Homens do Texas:


Em termos cronológicos (ordem de leitura),  a estória de  Lobo Solitário se passa depois de Entragando o Coração [Homens do Texas 22] 



Outras Capas:
Acho a capa da HQ uma das mais sexy de todos os livros da editora. É de tirar o fôlego.Sim, confesso, que eu adoooro cenas na chuva!


Cotação: (4.5/5)

Reações: