domingo, junho 29, 2014

Roleta Russa, de Jason Matthews


Desde pequena, o sonho de Dominika Egorova era fazer parte do Bolshoi, o balé mais importante da Rússia. Após ser vítima de uma sabotagem, porém, ela vê sua promissora carreira se encerrar de forma abrupta. Logo em seguida, mais um golpe: a morte inesperada do pai, seu melhor amigo.
Desnorteada, Dominika cede à pressão do tio, vice-diretor do serviço secreto da Rússia, o SVR, e entra para a organização. Pouco tempo depois, é mandada à Escola de Pardais, um instituto onde homens e mulheres aprendem técnicas de sedução para fins de espionagem.
Em seus primeiros meses como pardal, ela recebe uma importante missão: conquistar o americano Nathaniel Nash, um jovem agente da CIA, responsável por um dos mais influentes informantes russos que a agência já teve. O objetivo é fazê-lo revelar a identidade do traidor, que pertence ao alto escalão do SVR.
Logo Dominika e Nate entram num duelo de inteligência e táticas operacionais, apimentado pela atração irresistível que sentem um pelo outro.



Muito bom thriller de espionagem.
Ah, a Guerra Fria... parecia esquecida nos livros de História, mas que ultimamente parece estar mais quente do que nunca. Quem acompanha os noticiários internacionais já deve pelo menos ter ouvido falar da tensão no “relacionamento” entre EUA e Russia. Claro, a Guerra Fria faz parte do passado mas...

E é justamente desse mas que Roleta Russa fala. Uma tensão diplomática entre dois países. Bem, muitas vezes a “diplomacia” passa bem longe.
Dominika é uma jovem russa que vê seu sonho de se tornar uma bailarina profissional acabar devido à uma sabotagem. Além da perda do sonho de uma vida, o pai da jovem morre em seguida e ela , de repente, ela se vê diante de um futuro inesperado: o da espionagem.

Nate é outro jovem; americano, vindo de uma família rica, que, a despeito do que seus pais planejavam para seu futuro, vê na carreira de Agente da Cia, a realização de uma vida de aventura- e mais importante, independência.
Como se era de se esperar, Dominika e Nate acabam se cruzando. Eles tem uma missão: o outro.
Eu poderia dizer que Roleta Russa é sobre um jogo de gato e rato, mas o livro vai muito além disso. Assim como a relação de Nate e Dominika. O livro fala de atração, reviravoltas e segredos.

Existo um resquício de romance, sim, mas não pense que este seja o ponto principal da história apesar de ser muito importante para o desenvolvimento da mesma.
É um thriller- e dos bons. E o livro tem tantos pequenos detalhes, sutis surpresas, que qualquer coisa eu diga sobre a trama em si pode acabar atrapalhando a leitura. O bom é ir lendo e se surpreendendo a cada página.

Normalmente eu prefiro assistir thrillers de espionagem do que lê-los. Penso que certas situações ficam melhores na tela do cinema do que na página de um livro. Muitos desses thrillers me cansam com toda a explicação sobre atos de espionagem e afins. Isso não ocorreu com Roleta Russa. O autor, ele mesmo um ex-agente da CIA, descreve tudo de maneira contínua e em rítmo bastante envolvente. Penso que o livro poderia ter sido um pouco menor, mais enxuto em algumas partes, mas em nenhum momento a leitura se mostrou enfadonha.

Roleta Russa tem personagens interessantes e fortes (apesar d’ eu ter me confundido algumas vezes com aquele monte de nome russo!rs) . Não sei ao certo o que pensar sobre Dominika. Ela é forte e determinada, segura de si. Porém eu não consegui me envolver (totalmente) com a personagem e acho que, talvez, esse distanciamento entre personagem e leitor tenha sido proposital. Ela não faz questão de ser amada- ou assim parece. Dominika é filha das circunstâncias.

Em compensação, gostei de Nate “logo de cara”. Ao contrário de Domininka, ele é espírito livre. Bem, “livre” dentro dos contornos de um agente da Cia.
Pode-se dizer que o livro tem como mocinhos os americanos e os russos, os bandidos. Bem, pode-se, mas em Roleta Russa nada é assim tão simples. Apesar da clara “preferência” do autor pelo lado estadunidense, os russos não são tratados como simples brucutus sedentos pelo poder.

Eu apenas me decepcionei um pouco com o final. Eu entendi a intenção do autor- e de certa forma, foi uma bom final. Esteticamente falando. Porém *eu* não gostei e me pergunto se o autor pensa em escrever uma continuação. Não que esta seja realmente necessária.

De qualquer forma, Roleta Russa é o tipo de livro que deve agradar aqueles que gostam de histórias com bastante ação e intriga. Já quem não está acostumado a ler thrillers e livros de aventura, este pode ser um bom livro para se iniciar no gênero.


Título Original: Red Sparrow
Autor: Jason Matthews
Editora: Arqueiro
Gênero: Thriller
Sub-Gênero/Assunto: Espionagem, Aventura,
Período: Atual. EUA, Finlândia, Grécia e Russia.



Outras Capas:

4/5

Reações: