terça-feira, janeiro 27, 2015

Herança de Sangue, de Mark Billingham


 #resenha
"Enquanto cumpria pena por ter matado sete mulheres, o assassino em série Raymond Garvey foi diagnosticado com um tumor cerebral e morreu na prisão. Quinze anos depois de ele ter aterrorizado a Inglaterra com seus crimes bárbaros, os filhos de suas vítimas começam a ser assassinados. As mortes estão conectadas por uma pista: uma série de fragmentos de radiografia ensanguentados, encontrados na palma da mão de cada um dos cadáveres.

O inspetor Tom Thorne precisa agir rápido e proteger os que ainda estão na lista do criminoso, mas nada e ninguém são o que parecem ser. Não quando se está lidando com um dos assassinos mais desequilibrados que já existiu."


**


Inspiração zero para resenha, mas lá vamos nós! O livro é bom, viu!

Romances policiais, de mistério e/ou suspense estão entre os meus favoritos e não posso negar que gosto muito quando me deparo com tramas diferentes, aspectos psicológicos intrincados e novidades linguísticas mas também é muito bom ler um romance policial à moda antiga. É o caso de Herança de Sangue, um romance policial procedual que comparado com alguns thrillers poderia até ser considerado um “simples” livro de investigação mas que de “simples” não tem nada- e que prende a atenção da primeira até a última página.

Tom Thorne é um investigador de polícia que está no meio de uma crise pessoal quando se vê diante de um novo um novo crime, aparentemente banal: uma mulher é encontrada morta, segurando o parece ser um pedaço de radiografia. No início parece ser um crime isolado, mas logo Tom decobre que outra equipe de polícia havia se deparado com outro crime semelhante. As mortes, a primeira vista estão associadas à estes pedaços de radiografia, mas não só isso, os mortos, descobre-se são filhos de vítimas de um serial killer chamado Raymond Garvey. O problema é que Garvey foi condenado , preso e, diagnosticado com um tumor cerebral, morreu na prisão.
Herança de sangue é uma corrida contra o tempo para encontrar os filhos (ainda vivos) das vítimas de Garvey e, ao mesmo tempo, tentar descobrir, o que realmente estaria acontecendo.

O livro segue uma mais tradição do romance policial, com uma trama, em sua grande parte, linear. Eu diria que é um romance procedual apesar de não se aprofundar totalmente nos aspectos técnicos da investigação e não deixar deixar de lado a questão psicológica. É estranho, pois, à primeira vista, eu não diria que este é um romance psicológico, mas ao final da leitura, a gente percebe como ela estava presente.
Muito da história é contado sob o ponto de vista de Tom, o investigador, mas o autor nos deixa algumas surpresas bem interessantes. E por falar em interessantes, a caracterizantes dos personagens é muitos boa. Obviamente, não posso entrar em detalhes, mas muita coisa é simplesmente uma questão de... prestar atenção.

A trama se passa na Londres atual e eu adorei isso. Não sei quanto à vocês, mas faz bastante tempo que eu não leio um livro passado na Inglaterra nos dias de hoje! :D
O grande problema, a meu ver, é o fato do livro ser o oitavo de uma série. Sim, você não leu errado. OITAVO. Claro, dá para ler e entender perfeitamente, a história POLICIAL, porém eu senti que ficou muita coisa faltando em relação à tom Thorne, como pessoa, personagem. Muita coisa referente à vida pessoal dele e a casos antigos são mencionados e isto acaba se “perdendo”.

De qualquer forma, Herança de Sangue é um livro muito bom, com um trama ágil e inteligente, muito bem desenvolvida e amarrada.

Recomendo.

Para saber mais sobre a série Tom Thorne : AQUI
Título Original: Bloodline
Autor: Mark Billingham
Editora: Record
Série: Tom Thorne- livro 8
Gênero: Romance Policial
Sub-Gênero/Assunto: Crime e Mistério, Serial Killer, Thriller, Suspense
Período: Atual. Londres, Inglaterra.


4/5

Reações: