sábado, janeiro 05, 2019

[RESENHA] Os Imortalistas, de Chloe Benjamin


“Se você soubesse a data de sua morte, como viveria sua vida? É 1969 no Lower East Side de Nova York e os rumores na vizinhança são sobre a chegada de uma mulher mística, uma vidente que se diz ser capaz de dizer a qualquer um qual será o dia de sua morte. As crianças Gold – quatro adolescentes que estão começando a conhecer a si mesmos – saem de casa sorrateiramente para saber sua sorte. As profecias informam as próximas cinco décadas de sua vida. Simon, o menino de ouro, escapa para a costa oeste, procurando por amor na São Francisco dos anos 80; a sonhadora Klara se torna uma ilusionista em Las Vegas, obcecada em misturar realidade e fantasia; Daniel, o filho mais velho, luta para se manter seguro como um médico do exército após o 9 de setembro; e Varya, a amante dos livros, se dedica a pesquisas sobre longevidade, nas quais ela testa os limites entre ciência e imortalidade. Um romance notavelmente ambicioso e profundo com uma brilhante história de amor familiar, Os imortalistas explora a linha tênue entre destino e escolha, realidade e ilusão, este mundo e o próximo. É uma prova emocionante do poder da literatura, da essência da fé e da força implacável dos laços familiares.”


Estou de volta!!!

Sim, vocês devem ter percebido que o blog ficou numa espécie de hiatus, né? Pois é, eu tive alguns probleminhas pessoais que , somados a uma terrível ressaca literária e ao fato do meu computador ter morrido, fizeram com que eu deixasse o Conversa um pouco de lado.

Mas é bom estar de volta!

Bem, agora vamos ao que interessa. A primeira resenha de 2019 é de um livro que li no final do ano passado e, sinceramente, ainda não tenho uma opinião totalmente formada sobre ele.
Os Imortalistas é um livro diferente; talvez essa seja a única certeza.

Tudo se basea na questão: “O que você faria se soubesse o dia de sua morte?”
Na Nova Iorque de 1969, quatro irmãos de origem judaica, no que seria uma aventura aparentemente inconsequente, acaba por mudar a vida deles para sempre.

A partir desse momento, Os Imortalistas é divido em quatro partes. Cada uma mostrando o que acontece com cada irmão, como cada umresolveu “viver” a vida, sabendo exatmente o dia em que ela terminaria.

O jovem que vai viver o amor livre na San Francisco dos anos 80; a sonhadora que revolve ser mágica; o médico que viveu as consequencias do 11 de setembro, e aquela que busca a eternidade.
O ponto em comum entre eles é a vida em si; como vivê-la (ou não) em sua plenitude. O problema, a meu ver, é forma como isso foi conduzido. Tirando a história de Simon, e sua vida de excessos e descoberta da própria sexualidade, achei tudo pasteurizado demais. Sem emoção.

Eu achei interessante como a autora coloca a fé e tradições judaicas no contexto do livro, mas nada é muito aprofundado. Nem mesmo questões pertinentes como o suicídio e o transtorno pós-traumático.
Os Imortalista me deixou a impressão de ser uma ideia ambiciosa, mas que morreu na praia. Não consegui me conectar com os personagens, nem com os seus dramas. Uma pena.

E vocês, já leram o livro? Se sim, me contem o que acharam.

Ah, e o que vocês fariam se soubessem o dia de sua morte?

***

O livro foi gentilmente cedido pela editora. E a edição é linda, viu. Capa dura e aveludada. Magnífico trabalho de arte.
Título Original: The Immortalists
Autor: Chloe Benjamin
Editora: Harper Collins Brasil
Gênero: Drama
Sub-Gênero/Assunto: Família
Período: 1969-2017. Nova York, Las Vegas e São Francisco, EUA.


2.5/5




 photo Thais1_zpssfusghrx.gif

Reações: