segunda-feira, janeiro 28, 2013

Rosa Negra, de Nora Roberts


Aos 47 anos, Rosalind Harper (Roz) é uma mulher capaz de passar pelas maiores provações sem esmorecer. Com três filhos, ela sobreviveu a dois casamentos e construiu um viveiro, de onde tira seu sustento. Ao longo dos anos, o viveiro deixou de ser apenas um ganha-pão e se tornou muito mais que isso: um símbolo da esperança e da independência dela, que divide o negócio com mais duas mulheres, Hayley e Stella, suas companheiras para todas as horas. As três são o futuro do viveiro.
Contudo, esse futuro corre perigo, e Rosalind sabe que elas não podem lutar sozinhas contra o fantasma da Noiva Harper. Contratado para descobrir os ancestrais da família Harper, o Dr. Mitchell Carnegie se vê intrigado com a própria protagonista. E, conforme o mistério por trás da identidade da Noiva Harper começa a se desfazer, ela percebe com espanto que se vê atraída pelo genealogista.
Três mulheres se encontram em momentos fundamentais em suas vidas — todas em busca de novas formas de crescer — e descobrem umas nas outras a coragem de arriscar e encarar o futuro.




Segundo livro da Trilogia das Flores, Rosa Negra, superou com louvor o primeiro livro, Dália Azul. Apesar de eu ter gostado bastante de Dália, o livro demorou um pouco a me “conquistar”. Prólogo e início de trama ótimos mas depois senti como se a trama não chegasse a lugar nenhum, melhorando no final. Isso não aconteceu com Rosa Negra.

Eu já me senti “mergulhada” na estória de Roz desde a primeira página. Em momento algum tive a sensação de tédio.  Muito pelo contrário.

A primeira coisa a ser dita sobre o livro, que continua de onde Dália Azul parou, é que o casal de mocinhos é um pouco diferente do que estamos acostumados a ler em romances românticos. Eles são pessoas vividas, tem 40 e tantos anos e vivem uma fase diferente da vida das “virgenzinhas” pós-adolescentes e também dos jovens senhores e senhoras de trinta e poucos anos.

Eu achei essa, vamos dizer, tomada de decisão da Nora em apresentar uma mocinha e seu interesse romântico fora dos padrões muito interessante e ótima de acompanhar.

Rosalind ‘Roz’ Harper é uma mulher de 47 anos, independente e mãe de três filhos já crescidos. Ela enviuvou muito cedo do homem que amava e teve um desastroso segundo casamento que acabou com o ex-marido sendo expulso de casa com um pé na bunda. Nessa etapa da vida, Roz dispõe grande parte de seu tempo a cuidar de sua empresa de floricultura.

O doutor Mitchell Carnegie  é um especialista em genealogia que tenta descobrir as origens da Noiva Harper,  um fantasma que assombra a Mansão Harper há décadas.
Nem Roz nem Mitchell estão procurando novos amores, mas os dois também não estão fechados para essa possibilidade. Sim, Roz não pensa em se casar novamente,  principalmente após o desastroso segundo enlace, mas isso não se configura em um “trauma”, tão presente em obras românticas. Quando os dois, Mitchell e Roz, começam a se envolver romanticamente,  é uma decisão tomada de forma adulta e sem grandes dramas.

Eles são adultos e agem com tal. É claro que, como todo drama romântico, irão aparecer percalços. Afinal, nada teria graça sem um pouco de drama, não?

Outro aspecto que gostei na estória é que Nora não perdeu tempo com maus entendidos ou segredos obscuros . Roz e Mitchell são honestos um com o outro desde o início. Até uma desconfiança que eu tinha a respeito de Mitchell no primeiro livro é confirmada aqui. É um ponto interessante que é mostrado sem dramas ou pieguismos. É apenas um fato que faz parte da vida dele.

Elemento de ligação entre as três estórias, a Noiva Harper tem uma presença muito mais marcante neste segundo livro.  Eu não diria que ela está mais “assustadora”, mas sim feroz e em até certo ponto, humana. Em muitos momentos, apesar de não concordar com seus “arroubos”, senti pena do fantasma.


Com uma trama interessante e personagens reais e cativantes, Rosa Negra foi uma leitura que me prendeu da primeira a última e deixou um delicioso gostinho de quero mais. Mal posso esperar pela terceira e última parte dessa trilogia.

Recomendo!

****


Rosa Negra foi a minha primeira leitura para o Desafio Realmente Desafiante 2013 . Foi o tema n. 6
 Peça para alguém olhar na sua estante e escolher um livro a muito esquecido.
Tudo bem, o livro não estava “esquecido” na estante mas foi o escolhido pela minha mãe. Fazer o quê? ^.^


Título Original: Black Rose
Autor: Nora Roberts
Editora: Bertrand
Gênero: Romance Contemporâneo.
Série: Trilogia das Flores- Livro 2
Sub-Gênero/Assunto: Viúva, Fantasmas
Período: Contemporâneo. Memphis, EUA.

A Edição
O senão do livro fica por parte da edição. Infelizmente o trabalho de tradução e revisão deixou muito a desejar. Palavras "estranhamente" traduzidas e frases confusas. Como já muito foi dito sobre os problemas na obra, não vou me alongar.
Ao que parece a editora Bertrand irá lançar uma segunda edição com os erros corrigidos.


A Série
1- Dália Azul
2- Rosa Negra
3- Lírio Vermelho-

Outras Capas:
Que parte de "Negra" (ou Black), esse povo que faz capa não entendeu? Affe.

4.5/5

Reações: