quarta-feira, novembro 26, 2014

Suspeitos, de Robert Crais


Scott não está bem desde a aterrorizante noite em que homens não identificados assassinaram sua parceira Stephanie e quase o mataram também, deixando-o cheio de ódio, humilhado e sempre à beira de um ataque de nervos. Maggie também não está bem. A pastora-alemã sobreviveu a três temporadas no Iraque e Afeganistão farejando explosivos até perder seu tratador no ataque de um homem-bomba. Seu estresse pós-traumático é tão grave quanto o de Scott.
Eles são a última chance um do outro. Ele era um jovem policial em ascensão, ela foi criada para cuidar e proteger. Juntos, vão começar a investigar o caso que ninguém quer que investiguem: a identidade dos homens que assassinaram Stephanie. O que os dois descobrem é que nada é o que parece ser. Eles seguirão por um caminho que os levará através das obscuras lembranças de seus infernos pessoais. Será que conseguirão sair dessa e encontrar os culpados? Ninguém pode prever..


Você gosta de cachorros? E de Romances Policiais?
Se sim, esse livro é pra você.

Quando eu terminei de ler Suspeitos, fiquei pensando em como seria essa resenha. Claro, eu poderia simplesmente falar sobre o aspecto “policial” do livro, o que seria válido, sem dúvida, mas esta não é simplesmente uma história sobre um jovem policial que tenta descobrir quem matou sua parceira. O livro fala sobre a busca pela verdade mas também sobre companheirismo, amizade e recomeços.

Quase 1 ano se passou desde que a parceira do jovem policial Scott James foi assassinada e ele também quase perdeu a vida. Foi uma noite que trouxe sequelas tanto físicas quanto emocionais. O certo seria que Scott fosse aposentado por invalidez mas sua teimosia a necessidade de tentar descobrir o que acontecer o impelem a conseguir, nem que seja em um outro departamento: o K-9, a divisão canina da polícia.
É no K-9 que Scott vai conhecer sua nova parceira, Maggie. Maggie também veio de um trauma, assim como Scott, ela perdeu seu parceiro em ação e ainda não conseguiu se recuperar do trauma.

Maggie é uma cachorra pastora-alemã.

Eu me apaixonei completamente por Maggie. E por Scott também. Por diversas vezes, eu tinha vontade de entrar dentro do livro e abraçá-los, dizer que as coisas a iriam melhorar, que tudo iria acabar bem. Ao passo em que Scott vai tentando descobrir o que verdadeiramente na fatídica noite em que sua parceira morreu, o autor nos mostra que a superação dos traumas- físicos e emocionais- não é nada fácil; é preciso muito mais que simplesmente “força de vontade”, mas também dedicação.

“Ela estava tão feliz em vê-lo que pousou a cabeça em seu colo. Ele coçou as orelhas dela e afagou e Maggie se agitou de alegria.
Ela farejou o chão, virou-se até encontrar a exata posição e deitou-se ao lado dele.
Alfa seguro.
Caixote seguro.
Matilha segura.”


E assim como a superação não é fácil, desvendar o crime também não é. Scott não é um detetive renomado ou algo do tipo; ele é apenas um jovem policial comum, daqueles que andam de viatura e vestem uniforme. Suas pistas são pedaços de informações e muitas vezes estas mesmas informações não parecem ser de todo válida. Sei que estou me repetindo aqui, mas quanto menos se souber sobre o “aspecto policial” do livro melhor. Não que o mistério seja muito grande, ou difícil de ser decifrado, mas é interessante de se ir descobrindo aos poucos. O lado policial, aliás, é a parte mais fraca do livro. Não que seja ruim, mas comparado com a relação entre Maggie e Scott, ele sai perdendo. A trama é bem articulada e o autor não deixa pontas soltas nem se utiliza de soluções miraculosas mas quem é fã do gênero irá sentir uma certa falta de “refinamento” , uma simplicidade linguística.

Simplicidade essa que não se aplica à, como eu já mencionei, amizade de Maggie e Scott. É simplesmente arrebatador. Eles simplesmente se completam. Suspeitos é narrado sob dois pontos de vista: o de Scott e... o de Maggie. Sim, o de Maggie. O autor soube capturar como poucos o amor de um cão pelo seu dono, a necessidade de fazer parte da matilha, a dor da perda. Lindo.

Suspeitos é um livro especial, belo e tocante.

Queria poder- conseguir- falar mais.

Recomendo.


Título Original: Suspect
Autor: Robert Crais
Editora: Companhia Editora Nacional
Gênero: Romance Policial
Sub-Gênero/Assunto: Homens da Lei, Crime e Mistério, Animais
Período: Atual. Los Angeles, EUA

Outras Capas:


4.5/5

Reações: