terça-feira, março 03, 2015

[Resenha] Garota Exemplar - Gillian Flynn

"Na manhã do quinto aniversário de casamento, Amy desaparece da nova casa, às margens do Rio Mississippi. Tudo indica se tratar de um sequestro, e Nick imediatamente chama a polícia, mas logo as suspeitas recaem sobre ele. Exibindo uma estranha calma e contando uma história bem diferente da relatada por Amy em seu diário, ele parece cada dia mais culpado, embora continue a alegar inocência. À medida que as revelações sobre o caso se desenrolam, porém, fica claro que a verdade não é o forte do casal."


Não gostei.

Sim, o livro aclamado por público e crítica só me fez pensar no meu precioso tempo perdido. Que não volta mais.

Eu ganhei Garota Exemplar logo que foi lançado e as primeiras reportagens e resenhas à respeito, dizendo que era “o livro” começaram a pipocar. Não sei porque mas não quis ler naquele momento, mas me restringi de ler resenhas, afinal eu sabia que se tratava de um romance com um mistério, e a única coisa que eu sabia a respeito da história (que é a única coisa que se deve saber, realmente) é que o livro falava sobre o desaparecimento de uma mulher no dia do seu 5 aniversário de casamento, e que a história era narrada pelo marido e pelo diário da esposa desaparecida.
Isso.
Com o surgimento do filme, senti um novo interesse pelo livro, e para não ser “spoilada”, me neguei a ver o trailer ou qualquer reportagem sobre o longa. Afinal, muitas pessoas, diziam que a história era “surpreendente”.
Pois bem, surpreendente ONDE? Antes da página 30, eu já sabia todo o mistério. Uma parte de mim, queria estar errada, mas era tudo TÂO óbvio na narrativa que, sim, eu acertei a “grande” reviravolta, ou mistério, como queiram chamar. E até mesmo as pequenas surpresas que acontecem no decorrer da história foram facilmente identificadas com antecedência.

Era tudo MUITO óbvio.

Mas tudo bem, eu já li ótimos livros em que a identidade do vilão é revelada logo na primeira página; a surpresa, obviamente, é um diferencial, mas não é o que define um livro, a sua qualidade. Garota Exemplar não havia me ganhado no fator “ser surpreendente” mas a narrativa poderia ser incrível.

Ledo engano. Poucas vezes me deparei com narrativa mais lenta e enfadonha que esta; uma total falta de ritmo e dinamismo. Honestamente, pensar que abandonar a leitura várias vezes- só continuei porque sou teimosa. As cenas se arrastavam e para piorar os personagens careciam totalmente de carisma. É perceptível que a autora queria fazer uma crítica com essa obra, mas deveria ao mesmo ter construído protagonistas mais simpáticos- e menos unidimensionais.

A chatice reina.

Além disso, a parte investigativa da trama é tão pífia que chega a ser ridícula. Simplesmente não existe uma investigação propriamente dita, é apenas um amontado de frases e ações. Talvez houvesse a intenção de se focar na parte mais psicológica da história, mas o fato é que ficou tudo pelo caminho. Um romance psicológico te faz se sentir instigada, perturba até. Este não me instigou em nada- e se perturbou foi porque não acabava nunca.

Se existe algo positivo a dizer sobre Garota Exemplar é o final. Foi a única coisa que se salvou (e o motivo por eu ter dado 2 estrelinhas em vez de 1 só). O diálogo final é perfeito, com uma ironia apurada. Pena que o resto do livro não tenha sido assim. Este final me lembrou muito Stephen King e me fez pensar que, com um outro autor, Garota Exemplar poderia ter sido um livro incrível.

Como podem ter percebido, EU não gostei do livro, mas e você, o quê achou? Leia e forme a sua própria opinião!


Título Original: Gone Girl
Autor: Gillian Flynn
Editora: Intrinsica
Gênero: Romance Policial
Sub-Gênero/Assunto: Casados, Crime e Mistério, Suspense, Família
Período: Atual. EUA.
Outra Capa:



2/5

Reações: